Escolha em qual região deseja encontrar o SECOVIMED?





12/06/2017

Aposta da prefeitura por investimentos, ajuste fiscal será votado nesta semana

Após queda da receita ocasionada pela crise econômica, município não conseguiu frear despesas de custeio e vem sacrificando investimentos

A metáfora escolhida pela prefeitura de Curitiba para defender o pacote de ajuste fiscal enviado à Câmara no fim de março é a do cobertor curto. Não adianta cobrir daqui e descobrir dali, diz a peça publicitária encomendada pelo Executivo. A comparação resume o que mostram os balanços orçamentários do município. A crise econômica derrubou a arrecadação municipal a partir de 2013, e o Executivo não conseguiu frear as despesas de custeio – especialmente as de pessoal –, que seguiram crescendo nos mesmos níveis do período de bonança que antecedeu a crise.

Nessa disputa pelo cobertor, a parte descoberta são os investimentos. Para absorver o peso cada vez maior do custeio dentro do orçamento, as despesas de capital foram sacrificadas. A partir de 2013 os gastos com obras de infraestrutura, construção de aparelhos públicos e aquisição de maquinário, por exemplo, vêm caindo paulatinamente em relação ao total do orçamento. Esse é um movimento recorrente na administração da cidade.

“Todos nós sabemos que, em um momento de crise, um momento de desaceleração do crescimento, o investimento é a área que mais sofre”, disse, em 2016, Fábio Scatolin, então secretário de Planejamento na gestão de Gustavo Fruet (PDT). “Como o investimento é mais discricionário, não é uma despesa obrigatória, nós acabamos privilegiando primeiro o pagamento da máquina, tanto da folha como do custeio básico”, disse, no fim de maio deste ano, o secretário de finanças de Rafael Greca (PMN), Vitor Puppi.

A solução apresentada pela atual gestão para reverter esta tendência é o conjunto de medidas batizado pela prefeitura de Plano de Recuperação de Curitiba. Segundo o secretário de finanças, “não existe plano B”. Os sindicatos de servidores, por sua vez, chamam as medidas de pacote de maldades. A disputa retórica evidencia o principal objetivo dos projetos de lei: conter o gasto com pessoal. Apenas duas medidas extrapolam a relação entre o município e o funcionalismo: o aumento da alíquota de ITBI para imóveis entre R$ 140 mil e R$ 300 mil e a desvinculação da taxa de lixo da cobrança do IPTU, que permite o aumento do valor e a cobrança da taxa de mais contribuintes, que atualmente são isentos do imposto predial.

As propostas mais duras recaem sobre os servidores: entre elas estão a suspensão dos planos de carreira e do pagamento do reajuste anual; a limitação do gasto com pessoal a 70% do crescimento da Receita Corrente Líquida; o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14%; e a criação de um fundo de previdência complementar, além da devolução de R$ 600 milhões que a prefeitura afirma terem sido pagos indevidamente do instituto de previdência dos servidores para os cofres municipais.

A austeridade das propostas gerou reações por parte dos sindicatos de servidores municipais. Desde o envio do pacote, os vereadores têm sofrido forte pressão dos sindicalistas, que acusam a prefeitura de retirar direitos dos funcionários públicos e de dar prioridade às grandes empresas prestadoras de serviço em detrimento ao pagamento do que é devido aos servidores.


Orçamento apertado

Nos últimos oito anos, a transição de um período econômico favorável para uma recessão derrubou as receitas municipais e as despesas com pessoal seguiram crescendo.

Fonte: Gazeta do Povo

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

SEDE: Rua Doutor Pedrosa, 475 - Centro
Tel/Fax: (41) 3259-6000 - CEP 80420-120 - Curitiba - Paraná - Brasil

© 2013 Sistema SECOVI-PR. Todos os direitos reservados.