Escolha em qual região deseja encontrar o SECOVIMED?





12/04/2018

Como os síndicos usam o WhatsApp na comunicação com moradores

E-mail e Whatsapp são recursos usados para manter os moradores bem informados

A comunicação digital facilita o dia a dia das pessoas e encurta o tempo e a distância. Em condomínios, porém, nem sempre as redes sociais são os meios indicados para resolver percalços entre moradores. Síndicos, profissionais ou não, divergem sobre a participação do profissional em grupos de WhatsApp e Facebook, mas defendem que é a comunicação com o condômino é essencial.

O consultor Marcio Rachkorsky, responsável por 200 condomínios em São Paulo, afirma que síndico que quer se manter no cargo precisa se comunicar com o morador. “Não tem como fugir”, diz. Para ele, a forma de comunicação mais efetiva é aquela feita nos elevadores, como em televisores ou recados impressos. A comunicação formalizada deve ser enviada por por e-mail. Já a newsletter, mensal ou bimestral, pode ser usada para passar informações de uma forma mais atraente.

Síndico morador de um condomínio na zona oeste de São Paulo, Tiago Pereira de Souza segue a linha dos que gostam de manter o morador informado. “Quando você mantém o máximo de pessoas informadas, cria multiplicadores de informação e isso reflete em melhor convivência no condomínio”, explica ele que, apesar de ser morador, recebe honorários para atuar como síndico profissional. Ele mesmo criou o grupo de WhatsApp do edifício, que conta com mais de 200 participantes. “Por dia, respondo a 500 mensagens, 50 e-mails e atendo a dez ligações”, contabiliza.

Emergência

O síndico profissional Luiz Gagliardo Filho é responsável por três condomínios além daquele onde mora, em Santo André, no ABC Paulista. Para se comunicar com os condôminos, ele faz reunião presencial em cada um deles, duas vezes por semana, em horários marcados para falar com o zelador durante o dia e com os moradores, à noite. Nos grupos de WhatsApp dos quais participa com os moradores há regras. “A norma é utilizar o grupo apenas para comunicação de emergência, uma informação rápida, como quando quebra o portão da garagem”, afirma. Se é para reclamar do vizinho que parou fora da vaga demarcada, o canal

Nos três condomínios que Betina Soldatelli administra na zona oeste e na Grande São Paulo, ela prefere que a comunicação oficial seja feita no livro localizado na portaria de cada edifício. “Também tenho um e-mail para cada condomínio para receber as sugestões e as reclamações”, diz ela, proprietária da Max Gestão em Assessoria Condominial. Como síndica profissional e moradora ela até recebe reclamações por WhatsApp, mas “sempre pede para formalizar a queixa por e-mail”.

Especialistas em gestão não recomendam que o síndico participe de grupo de WhatsApp dos moradores. “Os moradores escrevem no grupo seus problemas pessoais. Esses devem ser tratados caso a caso”, diz Marco Gubeissi , coordenador do curso de administração de condomínio da Universidade Secovi.

Sua opinião é corroborada pela Lello, administradora responsável por 2.600 condomínios e 200 mil apartamentos em São Paulo. “Pela falta de mediação, pode dar briga entre vizinhos ou com o síndico e acaba gerando uma desassociação”, pondera Angélica Arbex, gerente de relacionamento da empresa. Para os moradores trocarem dicas, aí, sim, o WhatsApp é um bom canal para formar a comunidade.

No caso do grupo, Angélica lembra que pode ser implantado um minicompliance, como evitar envio de correntes, de discussão de visão política, agressão ao vizinho etc. “Não é no grupo que se reclama que o hall está sujo. Essa notificação deve ser feita para a portaria”, diz.

“A experiência que tive no Facebook foi terrível”, exclama Rachkorsky. “É um espaço em que as pessoas se sentem à vontade para fazer fofoca, agressão e críticas ásperas”, diz. Para ele, o grupo de Whatsapp é um meio dinâmico, desde que as pessoas sigam regras e não fiquem discutindo assuntos que não sejam pertinentes ao condomínio. “É um meio eficaz devido à agilidade, mas o síndico só deve participar se ele for convidado pelos moradores”, diz. Entre os assuntos recorrentes estão segurança, barulho vindo de festas de fim de semana e carro mal estacionado em garagens.

Tiago Souza lembra que em grupos há pessoas com diferentes criações e, em condomínio, a tendência é reclamar de tudo. “Quando tem muita gente, aumenta. No WhatsApp, como é uma linguagem que não tem nem expressão corporal nem entonação de voz, deve ser uma comunicação clara para não dar margem ao mal entendimento”, recomenda.

Fonte: veja.abril.com.br

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

SEDE: Rua Doutor Pedrosa, 475 - Centro
Tel/Fax: (41) 3259-6000 - CEP 80420-120 - Curitiba - Paraná - Brasil

© 2013 Sistema SECOVI-PR. Todos os direitos reservados.