Escolha em qual região deseja encontrar o SECOVIMED?





07/01/2020

Como ter animais de estimação em apartamentos.

Conselhos para mantê-los felizes, saudáveis e longe de encrencas com os vizinhos.

É de conhecimento geral que bichinhos de estimação como cães e gatos são os melhores amigos dos seres humanos. Pode soar clichê, mas estudos científicos – como o que foi realizado em 2018 por pesquisadores da Clínica Médico-Psiquiátrica da Ordem, em Portugal – comprovam que ter um “amigo peludo” tem efeitos positivos sobre a nossa saúde mental. Mas animais de estimação demandam cuidados, em especial quando seu lar é um apartamento. Para trazer mais conforto ao seu companheiro e, ao mesmo tempo, não incomodar os vizinhos, algumas atitudes precisam ser tomadas.

Segurança em primeiro lugar

A primeira delas diz respeito à segurança do pet. A médica veterinária Ludmila Vital, especialista em comportamento animal, afirma que a combinação animais + apartamentos não gera problemas contanto que certos procedimentos sejam colocados em prática. “Gatos e cães de pequeno porte são excepcionais para esses espaços, mas requerem cuidados como telas nas janelas e castração”, explica. As telas servem para que os pets, em especial os gatos, não sofram quedas. Já o ato de castrar acalma o bichinho, previne doenças do aparelho reprodutivo e reduz o mau cheiro dos fluidos corporais, principalmente no caso dos cachorros. Ah, atenção para as sacadas: se os animais costumam ser colocados nesses espaços externos, é preciso garantir que não corram o risco de cair e que não fiquem expostos ao sol forte ou à chuva.

Os cuidados do dia a dia

Mas a vida em espaços reduzidos como os apartamentos não diminui a qualidade de vida dos bichos de estimação? Segundo Vital, não, desde que os donos ofereçam atenção e cuidados aos seus companheiros. É preciso passear com os animais, em especial com os cães, ao menos três vezes ao dia, durante, no mínimo, 15 minutos. A brincadeira também deve ser diária e se manter por ao menos 30 minutos. Bolinhas e mordedores são boas opções para estimular os bichinhos. Além disso, a alimentação também exige atenção. Como o espaço para movimentação é menor, o pet costuma gastar menos calorias ao longo do dia. Por isso, montar e manter uma dieta equilibrada é importante para o animal.

Quando o assunto são as necessidades básicas do bichinho, Ludmila Vital alerta: fazer com que o pet, sobretudo os cães, só façam xixi ou cocô fora de casa pode causar sérios problemas de saúde. “Se o animal fica mais de oito horas sem fazer as necessidades, pode ter cistites e problemas renais”. Para os gatos, as liteiras devem estar sempre limpas.

E como evitar a bagunça?

Preocupações com a mobília e com a paz da vizinhança são bastante naturais quando há um animal de estimação em casa. Afinal, como evitar que os bichinhos danifiquem pisos e móveis do apartamento? A veterinária garante que, hoje em dia, existem tecidos para sofás que são resistentes às garras de gatos e cachorros. Há, também, sprays com odores feitos para manter os bichanos longe de determinadas peças ou espaços. Basta pesquisar um pouco para saber mais a respeito.

Agora, se o problema é o barulho, outros planos devem ser colocados em prática. “Pequenos treinos diários, como o dos ‘três nãos’, ajudam muito a diminuir a ansiedade dos pets”, conta Vital. O treino consiste em reduzir a agitação dos animais, em especial quando voltam a ter contato com o dono depois de um dia de separação. Nessas situações, é preciso aplicar os “três nãos”: não olhar, não tocar e não falar com o bicho nos primeiros cinco minutos de reencontro. O contato só deve ser feito, de maneira controlada, depois de ele se acalmar.

“Latidos, ganidos e o raspar de portas são comportamentos que precisam de atendimento especializado”, afirma Vital. Nesses casos, agendar uma consulta com um veterinário ou com um adestrador para entender o modo de agir do bichinho é a ação mais recomendada. “Também é importante conversar com os vizinhos e demostrar preocupação com os possíveis desconfortos causados pela bagunça do pet”, explica a profissional. Afinal de contas, na vida em condomínio, é essencial tentar manter uma boa relação com a vizinhança, certo?

Os espaços para pets

Falando em condomínios, há alguns empreendimentos que se preocupam com o bem-estar dos animais de estimação. É o caso do Vittace Uvaranas, em Ponta Grossa, que planeja construir um espaço para receber os bichinhos dos moradores. O síndico Sauvenil Dias do Nascimento conta que, a partir de uma conversa com condôminos, surgiu a ideia de transformar um espaço comum inutilizado em um “cantinho do pet”. Nele, serão colocados pneus e pallets para que os bichos possam brincar.

Como o local possui grama e fica ao ar livre, vai proporcionar momentos de liberdade aos cães e gatos do empreendimento. “Eles poderão andar e correr, gastar as energias. Também teremos um local para os donos sentarem e acompanharem seus animaizinhos” explica. O espaço será construído com a ajuda voluntária dos moradores, em especial das crianças. Uma iniciativa que une cooperação, diversão e amor pelos animais.

Fonte: G1

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

SEDE: Rua Doutor Pedrosa, 475 - Centro
Tel/Fax: (41) 3259-6000 - CEP 80420-120 - Curitiba - Paraná - Brasil

© 2013 Sistema SECOVI-PR. Todos os direitos reservados.