Escolha em qual região deseja encontrar o SECOVIMED?





12/04/2018

IPCA de março é menor para o mês desde o início do Plano Real, mostra IBGE

A inflação de 0,09% medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em março foi a mais baixa para o mês em toda a série histórica iniciada na implementação do Plano Real, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A inflação de 0,09% medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em março foi a mais baixa para o mês em toda a série histórica iniciada na implementação do Plano Real, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Como resultado, a taxa acumulada em 12 meses voltou a recuar, passando de 2,84% em fevereiro para 2,68% em março, o patamar mais baixo desde setembro do ano passado, quando ficou em 2,54%.
A taxa em 12 meses alcançada em março foi a mais baixa para o mês em toda a série histórica do IPCA.
O índice acumulado em 12 meses permaneceu pelo nono mês seguido em patamar inferior a 3%, completando a maior sequência de resultados inferiores a 3% dentro da série histórica.
A última vez que o IPCA em 12 meses manteve uma sequência prolongada abaixo de 3% foi de agosto de 1998 a fevereiro de 1999.
O resultado acumulado no ano, de 0,70%, também foi o mais baixo para um primeiro trimestre dentro da série histórica. Em março do ano passado, o IPCA tinha ficado em 0,25%.

Grupos
Dois dos nove grupos que integram o IPCA registraram redução de preços em março. Os gastos com Transportes caíram 0,25%, enquanto as despesas com Comunicação diminuíram 0,33%, informou o IBGE.
A queda no grupo Comunicação foi motivada pela redução nas tarifas das ligações locais e interurbanas, de fixo para móvel, em vigor desde 25 de fevereiro.
Entre as altas, o grupo Saúde e cuidados pessoais apresentou a maior variação no mês (0,48%), além da maior contribuição (0,06 ponto porcentual). O item plano de saúde ficou 1,06% mais caro, responsável pelo segundo maior impacto individual no IPCA, 0,04 ponto porcentual.
O maior impacto individual foi das frutas, com alta de 5,32% e contribuição de 0,05 ponto porcentual para o IPCA. Como consequência, as despesas das famílias com o grupo Alimentação e bebidas subiram 0,07% em março. Segundo Fernando Gonçalves, gerente na Coordenação de Índices de Preços do IBGE, problemas climáticas prejudicaram a oferta e a qualidade das frutas, afetando os preços ao consumidor.
No grupo Habitação, a alta de 0,19% em março foi impulsionada pela energia elétrica (0,67%), puxada pelos reajustes de 9,09% e 21,46% nas tarifas das concessionárias do Rio de Janeiro, em vigor desde 15 de março.
Os demais grupos com elevação de preços em março foram Artigos de residência (0,08%), Vestuário (0,33%), Despesas Pessoais (0,05%) e Educação (0,28%).

Fonte: Diário Indústria & Comércio

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo.

* campos obrigatórios

SEDE: Rua Doutor Pedrosa, 475 - Centro
Tel/Fax: (41) 3259-6000 - CEP 80420-120 - Curitiba - Paraná - Brasil

© 2013 Sistema SECOVI-PR. Todos os direitos reservados.